Falta de profissionais de TI com habilidades necessárias é o principal desafio das empresas

Falta de profissionais de TI com habilidades necessárias é o principal desafio das empresas que querem aplicar a transformação digital. Entenda!

Falta de profissionais de TI com habilidades necessárias é o principal desafio das empresas que querem aplicar a transformação digital. Entenda!

Por: Samba Digital

O ano de 2020 foi de extrema importância para o avanço da Transformação Digital no Brasil. As mudanças impostas pela pandemia do novo Coronavírus geraram urgência nos consumidores e empresas  a experimentarem soluções que nunca tinham sido cogitadas anteriormente. Profissionais de TI, C-levels e diversos agentes responsáveis pela inovação nas empresas se viram pressionados a criar soluções que não estavam preparadas para isso.

O resultado dessa combinação de fatores é que, segundo levantamento que realizamos com mais de 100 C-levels reconhecidos nacionalmente, que atuam em sua maioria na área de tecnologia e inovação e que estão à frente de empresas de diversos portes, 45,7% das empresas brasileiras já estão implementando uma estratégia de Transformação Digital. 

O número é animador, porém essas empresas também estão enfrentando inúmeros desafios, como a falta de profissionais de TI com habilidades necessárias para liderar os projetos de TD.

Ao longo do texto vamos detalhar mais o assunto, mas se você quiser saber mais detalhes sobre nossa pesquisa completa sobre o cenário de Transformação Digital, basta fazer o download gratuito aqui.

Todas as empresas serão de tecnologia

Embora soe estranho, quando ouvimos pela primeira vez, a realidade é que estamos caminhando para que todas as empresas, em breve, se tornem empresas de tecnologia. Isso porque as aplicações tecnológicas já fazem parte do dia a dia e se tornaram essenciais para o modelo de negócios da maioria das companhias, independente do setor.

Por exemplo, com certeza você já ouviu termos como: AgTechs, FoodTechs, EdTechs, FinTechs e tantos outros. Uma AgTech, por exemplo, nada mais é do que uma empresa de agronegócio que tem uma aplicação tecnológica. 

Tudo isso nos leva a crer que, em poucos anos, todas as empresas que se destaquem no mercado possuam modelo de negócios, ou mesmo uma operação automatizada, com suporte em aplicações tecnológicas. 

Esse cenário se tornou ainda mais forte com a pandemia do novo Coronavírus, desde março de 2020, já que as empresas se viram obrigadas a se tornarem digitais para sobreviver. A tendência é que, nos próximos anos, essa jornada de TD continue, alavancada por três vertentes: relações cada vez mais digitais entre cliente e empresa; aperfeiçoamento do trabalho remoto, criando uma cultura ágil; e revisão dos processos internos e da jornada do cliente com foco em novas receitas.

Ainda de acordo com a nossa pesquisa, quando falamos em investimentos em tecnologia, 62,5% das empresas pretendem dispor entre 10% e 30% do faturamento de 2021 em Transformação Digital.

Equipe de TI: um dos principais desafios ao implantar a Transformação Digital

Um dos dados que mais chamou atenção ao analisarmos os dados da nossa pesquisa sobre TD no Brasil foi em relação aos desafios enfrentados pelas lideranças. Segundo a maioria dos C-levels (23,8%), o principal desafio está na falta de profissionais de TI com habilidades necessárias. Esse é um problema enfrentado por empresas de todos os portes, desde os entrevistados que possuem 100 funcionários até os que contam com mais de cinco mil colaboradores.

Segundo relatório da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, o déficit de profissionais de TI pode chegar a 260 mil até 2024. Com a tendência de que todas as empresas se tornem polo de tecnologia, o cenário se torna ainda mais preocupante, visto que a demanda tende a aumentar.

Algumas alternativas têm sido estudadas para minimizar os impactos da falta de mão-de-obra. Uma delas é a contratação de times híbridos ou alocação de profissionais/squads. A maior parte das empresas (68,9%), ainda de acordo com nosso levantamento, já trabalha com alocação de profissionais. 

People-as-a-service

Todo o cenário que descrevemos até o momento faz com que as empresas se vejam em uma grande encruzilhada: de um lado a necessidade de desenvolver produtos e serviços que atendam as necessidades do consumidor no tempo adequado e, do outro, a dificuldade de contratar talentos.

Uma das saídas para equalizar esses dois lados é adotar o que o mercado tem chamado de People-as-a-Service, ou PaaS. Trata-se da contratação de mão de obra especializada para planejar, executar ou promover consultoria para um projeto específico.

A oferta é muito semelhante a de outsourcing de TI, porém enquanto a terceirização tem foco em redução de custos, o People-as-a-service tem como objetivo contar com  expertises e skills que ainda não fazem parte do capital intelectual da empresa. Isso permite acelerar o time-to-market e reduzir o backlog de desenvolvimento.

Além disso, o PaaS auxilia os gestores de RH a vencer o desafio de contratar profissionais qualificados em um tempo hábil. Também podemos relacionar esse modelo com ganhos e redução de custo com treinamentos de novas tecnologias, visto que os profissionais alocados já estão capacitados para exercer as funções.

Como sanar o desafio da contratação de profissionais de TI?

A dificuldade em contratar profissionais de TI tem sido tão grande, que alternativas têm surgido para minimizar esse impacto nas empresas. A alocação de squads virtuais, sem dúvidas, é uma das vertentes que têm ganhado mais força e demonstra bons números. Isso porque o modelo de trabalho permite mais agilidade operacional e alocação de times multiprofissionais em diferentes demandas.

O modelo, que ganhou força após anúncio de que o Spotify era adepto da forma de trabalho, baseia-se na divisão dos colaboradores em pequenos grupos multidisciplinares, para trabalhar em um projeto ou objetivo específico. 

Também não podemos esquecer do PaaS, que falamos anteriormente. Esse modelo é mais recente que a alocação de squads, porém também já apresenta bons números para as empresas que aderiram.

Independente do modelo a ser escolhido, as empresas que já iniciaram ou pretendem dar os primeiros passos na jornada de transformação digital, precisam estar atentas ao grande desafio de contratação de profissionais de TI. Antecipar este gap pode ser o divisor de águas entre o sucesso e o fracasso da sua estratégia digital.

Se você não sabe por onde começar na captação do seu time de TI ou se o seu RH está com dificuldade em encontrar os profissionais ideais para seu projeto, entre em contato com um de nossos consultores. Temos expertise em selecionar e desenvolver profissionais altamente capacitados para lidar com projetos complexos.